Home / dicas saudáveis e receitas em texto e foto / Alternativas e dicas para combater o desperdício de alimentos

Alternativas e dicas para combater o desperdício de alimentos

DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS
Segundo uma estimativa do instituto Akatu, realizada neste ano, o Brasil desperdiça cerca de 41 mil toneladas de alimento por dia. Um adulto saudável come, por sua vez, cerca de 1 tonelada de alimento por ano. 41 mil por dia contra 1 por ano. Quantas pessoas, então, a comida que vai para o lixo poderia alimentar? Porque sabemos que nem tudo o que está nos sacos pretos deveria realmente estar ali.
É isso o que ressalta Tristam Stuart, escritor e ativista ambiental britânico. “A abundância de comida desperdiçada é tamanha que posso levar para casa o que o comércio descarta. Em vez de ir para a lata do lixo, esse excesso deveria ser redistribuído antes da data de validade. Na verdade, não deveriam nem mesmo produzir esse excesso”. Você pode ler a entrevista completa com o escritor sobre o assunto clicando aqui.
Usando e abusando da tecnologia
No Canadá, mais especificamente na cidade de Toronto, um novo aplicativo, chamado Flashfood, pretende acabar com o desperdício nos restaurantes. A ideia é conectar esses estabelecimentos aos mercados e clientes dispostos a pagar menos pela comida que está próxima da data de validade.
É quase um Tinder contra o desperdício. A empresa coloca uma foto do alimento oferecendo um desconto de, ao menos, 50%. Os usuários recebem notificações dessas ofertas e, se gostarem, podem reservar e pagar pelo aplicativo usando o cartão de crédito. Vale lembrar que só quem tem um celular e pode pagar pelo alimento aproveitaria o Flashfood. Mas, apesar de não incluir a população mais carente, usar a tecnologia ainda é um caminho para combater essa realidade.
O Flashfood não é o único. Há o PareUp em Nova Iorque e o Foodloop na Alemanha. Só que foram estudantes do MIT, Massachusetts Institute of Technology, que chegaram um pouco mais perto da ideia de Tristam. Eles criaram o Spoiler Alert, aplicativo que faz a ponte entre empresas com estoques excedentes de alimentos e organizações que a redistribuem ou cozinhas de caridade, incluindo de fato os necessitados. E tem mais: se a comida não está boa para o consumo, o Spoiler Alert lista lugares onde esse alimento pode ser reaproveitado para produzir ração ou fertilizante.
No Brasil não temos aplicativo, mas temos uma lei bem legal no Rio de Janeiro.
Programa de reaproveitamento de sobras limpas no Rio
A lei 7106/2015, aprovada no fim do ano passado, prevê um programa de reaproveitamento de sobras limpas no Rio de Janeiro, ligando mercados, feiras e instituições beneficentes. Serão doados para entidades que atuam com a população carente alimentos perecíveis aptos para reaproveitamento, mas impróprios para comercialização, e não perecíveis com embalagem danificada ou prazo de validade próximo ao estabelecido.
O doador e receptor precisarão seguir uma série de regras para garantir a segurança do alimento, e as empresas participantes receberão um selo que as identificarão como comprometidas com causas sociais, incentivando os consumidores a frequentarem o local.
Quem sabe ideias como essa, um dia, transformem-se em em algo maior, como a lei aprovada recentemente na França. Por lá, mercados com mais de 400 metros quadrados estão proibidos de jogar fora alimentos ainda aptos para o consumo. Em vez de se livrarem da comida, os varejistas terão de doar para instituições de caridade e bancos de alimentos. Quem descumprir a lei poderá ser multado em até 75 mil euros ou ser penalizado com sentença de prisão.
Créditos: Mikkel Østergaard

Créditos: Mikkel Østergaard

E você, o que pode fazer?
Em casa, o desperdício também acontece, e há maneiras de evitá-lo. Comece planejando as refeições e compre somente o necessário, impedindo que os alimentos estraguem sem necessidade. No mercado, lembre-se que quem vê cara não vê coração. Ninguém merece padrão estético para batata ou ameixa, não é? Se não tem buraco, deterioração, cores estranhas ou outros indícios de que o alimento está ruim, por que não levar para casa?
E, aliás, por que descascar batata, cenoura ou maçã? Às vezes, jogamos fora partes do alimento que poderiam ser consumidas ou deixamos de usar, por exemplo, a abobrinha inteira porque uma parte pequena está ruim. Não é melhor cortar e usar o restante bom? Aprenda a reciclar as sobras, que podem virar sopas, bolinhos ou até geleias, e experimente receitas novas com cascas, sementes ou talos, aproveitando ao máximo o alimento.
Algumas dicas também podem ser úteis na hora de conservar os alimentos, mas isso é assunto para uma outra matéria! Por isso, não se esqueça de se inscrever na newsletter do site e no canal do youtube, para receber sempre as novidades.
Leia mais: Brasil está entre dez países que mais desperdiçam alimentos no mundo l Aplicativos de celular ajudam a reduzir o desperdício de comida l França proíbe supermercados de jogarem comida no lixo l Lei para redistribuição de sobras limpas de alimentos no RJ é aprovada

Comentários recentes